Dicas Para Escrever Artigos Difíceis de Ignorar – Parte 1

0 Flares 0 Flares ×

escrever artigos escaneaveis

Existe muito conteúdo de qualidade na Web que não possui um bom número de leitores simplesmente pelo fato de ser mal formatado.

Escrever artigos para internet dispõe de estilo próprio de design. Dessa maneira, estruturar um texto de forma que facilite a vida do leitor, pode fasciná-lo garantindo o sucesso de seu trabalho.

Nesta série de posts, você aprenderá como produzir um bom conteúdo distribuindo os elementos em seu texto de forma a deixa-lo visualmente atraente e confortável. Além disso, entenderá porque determinados métodos funcionam.

Parece bom?

Estes são os tópicos que nos aprofundaremos. Fique comigo!

Baixa capacidade de concentração: Conhecendo o Inimigo

escrever artigo - baixa capacidade de concentração

Short Attention Span (ou baixa capacidade de concentração) é o perfil de comportamento caracterizado pela fraca habilidade de manter-se o focado em determinada atividade por muito tempo.

De certa forma, este não é um problema novo, porém tem aumentado exponencialmente devido a exposição às crescentes toneladas de informações recebidas diariamente. Ainda, segundo um estudo feito pela Microsoft, a tecnologia deixa humanos com atenção mais curta que de peixinho dourado. O artigo citado é uma leitura bem interessante, contudo esse tipo de pesquisa não resume a verdade final sobre tudo, há casos e casos.

Todavia, independente do ponto de vista, ainda temos que enfrentar um poderoso vilão: O famigerado comportamento multitasking (multitarefas).

Você conhece essa sensação, né?

Está lendo uma matéria; que te faz recordar um filme; que tem dá vontade de ouvir uma música; o que te faz entrar no Youtube. Quando você cai na real, já está no décimo vídeo de gatinhos ou qualquer outra coisa mais bizarra.

Aposto que estava fazendo isso agora mesmo. Lendo este artigo; navegando no Facebook; ouvindo música; fofocando no Whatsapp. E tudo isso ao mesmo tempo…

Ou quase.

Seu cérebro, apesar do notável poder de processamento, ainda não evoluiu a ponto de desempenhar mais de uma tarefa ao mesmo tempo. Isso mesmo! O sistema que gerência memórias de curto prazo não consegue guardar muitas informações concorrentes. Quando ele executa mais de uma ação, o que está na verdade fazendo é alternando o foco.

Porém, com exceção de alguns savants, não fazemos isso muito bem, existindo muita perda de energia nesse processo.

Enfim, onde quero chegar?

Bem, a baixa capacidade de atenção dos leitores é um inimigo poderoso e não deve ser menosprezado. Você tem poucos segundos para encanta-lo e mostrar como seu conteúdo é valioso. Por isso, você aprenderá algumas técnicas e boas práticas que tornarão a dura missão de fascinar o leitor numa tarefa mais tranquila.

No fim dessa série de artigos, você estará produzindo conteúdo escaneável e de leitura confortável. 

Entenda os diferentes tipos de leitura

escrever artigo - tipos de leitura

Uma leitura passatempo pode ser feita em uma supervelocidade, pois o número de informações contido no texto é pequeno. Quando se trata de leitura para formação/compreensão precisamos nos predispor ativamente, ou seja, sermos leitores ativos…

Como sugere o trecho acima, Elson A. Teixeira no livro Leitura Dinâmica e Memorização (M. Books), você possui padrões diferentes de leitura que variam de acordo com o objetivo almejado na atividade.

Em resumo, Elson nos diz que lemos por dois motivos:

  • Para passar o tempo: leitura por prazer
  • Para adquirir formação ou conhecimento: leitura Analítica

Imagine que você adquiriu aquele romance que tanto queria. Uma história de fantasia épica, um conto de horror ou uma narrativa sobre vampiros que brilham perigosamente sob o sol. Acredito que por ser uma leitura feita para entretenimento, você faria sentado confortavelmente e se possível com uma xícara de chá ou chocolate quente. Muito diferente de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), por exemplo. Este, até onde conheço, nunca deu prazer para ninguém.

Veja:

Estruturalmente, escrever para web é diferente de escrever para outras mídias, e isso exige bastante empatia: O que o leitor procura em seu texto? Diversão? Informação?

Responder isso é importante para saber qual estrutura deve-se aplicar em seu trabalho.

Sempre com pressa

O leitor de artigos na internet é, no geral, uma pessoa apressada (mesmo que por motivo algum). Dessa forma, o perfil de leitura mais comum é o tipo scaner, onde quem lê passa os olhos pelo texto procurando pontos que certifiquem que aquele artigo possui as informações que procura.

Acredito que existam diversos fatores que levem a isso:

  • Falta de tempo
  • Enorme disponibilidade de sites tratando do mesmo assunto
  • Desconfiança sobre a qualidade do material (devido a clickbaits ou pobreza de conteúdo mesmo)

Enfim, você mesmo pode definir alguns motivos que usa para ler de forma analítica na Web. Contudo Independente de qual seja a necessidade, tornar o texto escaneável, ou seja, fácil de visualizar seus pontos chave, torna-se uma regra.

Nesses artigos sobre como fazer seu testo ser lido, trataremos apenas da construção do texto de forma estrutural, ou seja, seu design. Redação para Web possui muitas nuances e é um tema bastante rico, por isso será um assunto bastante recorrente aqui no blog.

Em resumo, a função de quem escreve é fazer com que cada sentença seja lida como se fossem unidas por um fio mágico que hipnotiza o leitor até que chegue no final de seu texto. Contudo, na internet as coisas são bem mais selvagens.

Desta forma, as dicas apresentadas a seguir, apesar de não serem obrigatórias, são altamente recomendáveis. Vamos lá? 

Entenda estes pontos antes de começar 

escrever artigo- check-list

Crie sua estrutura de títulos e subtítulos antes de escrever

Após montar sua lista de palavras-chave, você deve pensar em sua estrutura de títulos e subtítulos (intertítulos) que funcione como uma espinha dorsal. Isso ajudará você a enxergar seu artigo de forma macro, percebendo assim se as pequenas partes que  formam o todo possuem coesão.

Número recomendado de palavras

Existe uma leve inclinação para que esse número gire em torno de  1000 palavras. Essa quantidade traria um espaço confortável para se abordar um ponto de vista sem correr o risco de parecer superficial.

Porém, se você fizer uma pesquisa rápida, descobrirá que ninguém na verdade tem a palavra final nesse quesito. Opiniões se dividem sobre qual o número ideal de palavras: 500, 1500, 3000…

Contudo o Google possui por política: oferecer o melhor conteúdo à seus visitantes. Por isso, artigos longos (a partir de 1000 verbetes), supostamente, costumam ranquear melhor por oferecem materiais com maior profundidade, melhorando assim a experiência do usuário.

Notou que eu usei ‘supostamente’?

Disse isso porque o Google usa muitos outros critérios misteriosos em seus algorítimos para gerar resultados. Sites de receita, por exemplo, em geral tem uma quantidade de palavras muito inferior a 500. No entanto eles possuem um bom posicionamento. Pondere comigo: não há necessidade de ficar filosofando sobre receita de paçoca, o conteúdo precisa ser enxuto.

Por outro lado, se você tratará sobre conceitos de Física Quântica, o ideal é ser bastante didático. Existe um universo sobre o que se falar. Muitas minúcias.

Percebeu?

Não há muito como saber a regra certa, pois ela é secreta. O que temos são recomendações, que variam de nicho para nicho.

Com usar essa informação ao meu favor?

Uma boa estratégia é ficar de olho em como seus ‘concorrentes’ trabalham. Qual o tamanho de seus conteúdos. Qual linguagem utilizam.

Isso pode te nortear melhor do que teorizar.

Um relatório interessante sobre textos de venda longos X curtos (em inglês) atesta que conteúdos longos sobressaem-se 40,54% melhor, por transmitirem maior credibilidade e cobertura do assunto abordado. Porém, também chama atenção para o fator qualidade:

“Um texto curto pode se sair melhor do que um longo escrito de maneira pobre”

É importante frisar que não são todos os leitores que possuem foco por muito tempo (Attention Span, lembram?). Assim, conhecer o público alvo é muito mais do que uma frase de efeito de sites sobre marketing Digital. Significa sobrevivência.

O leitor do meu blog (você), no geral, procura informações mais detalhadas, por isso meus posts costumam variar entre 1500 a 2500 palavras. Não uso mais do que isso pois o visitante que se cansa tem o hábito de marcar o artigo para ler depois (bookmarking), e muitas vezes isso pode não acontecer.

Seguindo este raciocínio, procure dividir artigos muito longos em mais de um post. Não use aquele artifício de quebrar o mesmo artigo em várias páginas pois acaba dando trabalho extra ao leitor e pode fazê-lo desistir. 

Ajude o texto respirar

Espaços em branco separando blocos de texto ajudam o escrito ‘respirar’ adicionando à leitura muito mais leveza. Este é um conceito de Design que prima pela clareza e harmonia no posicionamento dos elementos, deixando caminhos vazios para que os olhos possam navegar livremente.

Considere estes exemplos:

A)
texto-bloco-sem-espacoB)
texto-bloco-espaco-em-branco

Imagine um texto inteiramente escrito como  nos moldes do exemplo A… É, eu sei.

A leitura nas páginas da web não é a mesma que fazemos quando lemos um livro. Desta forma, procure não utilizar grandes blocos de texto. Isso é assustador. Divida seu trabalho em parágrafos curtos de no máximo 5 linhas cada um e não contendo mais do que 4 sentenças.

Tratarei com mais detalhes no tópico sobre parágrafos (próximo post). 

Mantenha seu conteúdo importante acima da dobra

Mas o que?

Não, não estou criando novos termos. ‘Acima da dobra‘ (above the fold) é toda a parte visível de seu site que vemos sem precisar descer a barra de rolagem.

escrever artigo - acima-da-dobra

Alguns testes utilizando sensores que rastreiam o caminho percorrido pelos olhos (eye trankong), demonstram que 80% (em inglês) do tempo os usuários utilizam a parte superior da dobra fazendo suas pesquisas.

Sabendo disso, é interessante posicionar informações que manterão o leitor atraído. Os visitantes somente descerão a página, na maioria das vezes, se o design encorajar seu comportamento escaneável e se as informações contidas na área acima da dobra contiverem valor.

Bônus:

Essa mesma pesquisa demostrou que os visitantes muitas das vezes que descem a página, vão diretamente a seu final. Como se buscassem pela área de conclusão ou pelo ultimo item de um post de lista. Uma informação sobre comportamento que pode ser usada de forma estratégica.

Conclusão

Eu suma, assim como você deve primar pelo estilo de narrativa e qualidade gramatical de seu texto, é importante também se tornar um mestre e seu design. Porque um trabalho muito rico que levou horas (ou dias) intermináveis de pesquisa e muito suor para ser concluído, pode passar uma ideia de ‘coisa pesada’ ao ser apresentado num formato compactado e grosseiro.

Ah! Ficou interessando em saber como seu cérebro ‘se vira’ para lidar com o comportamento multitasking? Existe um livro excelente que destrincha o tema com maestria: Rápido e Devagar – duas Formas de Pensar (Objetiva, 2012), do escritor Daniel Kahneman. É uma leitura bem enriquecedora de dar nó na mente.

Se você curtiu este artigo ou tem alguma crítica, deixe um comentário. Compartilhe em suas redes sociais e fique por dentro dos próximos artigos da série.

Obrigado e tudo de bom sempre.

Conteúdo VIP

Campos marcados com * são requeridos

Se você gostou desse artigo e quer ficar por dentro de nossas novas postagens, deixe seu endereço no formulário abaixo!

Matane!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×

Danilo Matos

Danilo Matos é Consultor de Marketing Digital, Desenvolvedor Web e Produtor de House Music pelo grupo @TheMadMonkz Saiba mais aqui

Você pode gostar...

Back To Top
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 0 Flares ×